Golpe Militar de 1964, um período sombrio



      
Os pregadores da propalada intervenção militar são contra as cotas, o programa bolsa família e o Mais Médicos, os direitos das domésticas e até mesmo o aumento do salário mínimo      Por: Alberto Catalice
 
Os 50 anos do golpe civil militar de 1964 nos leva, obrigatoriamente, a uma série de reflexões: o atraso do país produzido pelo criminoso e malfadado golpe é incomensurável; reformas substanciais que nos colocariam hoje entre as nações mais desenvolvidas do mundo foram abandonadas; produziu-se o maior arrocho salarial de toda a história brasileira, causando essa vergonhosa concentração de rendas e riquezas que nos colocam em um desonroso lugar.

Neste período sombrio houve a maior captura dos setores públicos por elementos apaniguados e pelos poderosos de plantão, exemplo desse cenário foi a farta distribuição de cartórios, amplificando a trágica burocratização da vida nacional.

O amalgama militar-empresarial além do financiamento da repressão com torturados, mortos e desaparecidos encarcerou milhares de brasileiras e brasileiros.  Nunca a rapinagem e o espírito bucaneiro das elites brasileiras tiveram terreno tão fértil para prosperar. Ao se curvar a esses ditames, organismos da alta burocracia do estado fizeram a “farra do boi”.

Conservadores em sua maioria, o Poder Judiciário e o Ministério Público agiram para desmantelar as forças populares e aumentar os seus privilégios, vem daí os altos dispêndios pagos em aposentadorias e pensões que ainda sangram os cofres dos tesouros estaduais e federal.

Moralizadores de fancaria impuseram a paz do medo e dos cemitérios, criando uma falsa impressão de apoio popular. O primeiro e importante setor que apoiou o golpe e “pulou fora” foi a maioria da Igreja Católica artífice e apoiadora principal das inglórias “marchas da família”. A grande mídia co-irmã do golpismo, apesar da censura de que foi vítima amealhou o seu maior crescimento patrimonial, vide a instituição da Rede Globo de Televisão.

Esse estado de coisas não pode voltar!

Assim, a despeito das disputas eleitorais, a movimentação das forças que apostam na consolidação da democracia brasileira deve ser no sentido de dar um basta a tudo isso.

É inaceitável a pregação golpista atual. Cabe, a nós militantes progressistas, a defesa da democracia e do estado de direito; devemos ir ao povo brasileiro e explicá-lo que essa pregação, a pretexto de defender moralização, vem no sentido de destruir todas as conquistas populares.

Os pregadores da propalada intervenção militar são contra as cotas, o programa bolsa família e o Mais Médicos,  os direitos das domésticas e até mesmo o aumento do salário mínimo. Culpam o povo pelo engarrafamento dos aeroportos e até pelo intenso tráfego nas estradas e cidades, dado a aumento significativo de pobres que adquiriram um carrinho.

A pauta criminalizadora dessa gente afeta diretamente os autênticos movimentos populares e a sua principal razão de existência: os pobres, os negros, os índios e todos aqueles que a usura e a ganância elitista não deixaram prosperar, os poucos que conseguiram progredir o fizeram por hercúlea iniciativa individual.

É contra isso que lutamos. Essas iniciativas conservadoras devem ser desmascaradas. O país não suportaria.

Golpismo, nunca mais!


Por: Alberto Cantalice é vice-presidente nacional do PT.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...