Causo: entre tapas e beijos

Namoro “arregaçado” nunca tinha visto nada igual, incomum digamos assim. Bilinha  namora a galega nas imediações de lugar qualquer, esse camarada pega a galega de um jeito encostava a dita cuja no muro  da vizinha que mole (o muro)até balançava chega saia os dois todos empenhados, quando estavam os dois no maior amasso e nas confusões, tinha uma mulher vizinha que de vez enquanto  abria o portão e entrava disfarçando a olhada outra ‘inventava” de varrer a calçada, as crentes que vinham do culto olhavam de lado e diziam pouca vergonha não respeitam as casas de família.  Mas o casal também brigavam feito uns transloucados certos momentos iam as vias de fatos dizem que é amor bandido, depois da briga vem o melhor,  a garração.      Por: Iram de Oliveira

Entre tapas e beijos como nada é para sempre basta só uma maldita palavra solta para se instalar a revolta de um lado ou do outro enfim. Dia vai bem dia mal então numa desses de discussão plena a adrenalina estava mil imaginamos, a sujeita enche o peito e braveja “ você é um pau no cú”, Bilinha se voltou e deu-lhe uns tapas, aí então o cacete rolou na rua entre os “apaixonados”  envolvidos, a mãe dele chegou e conseguiu apartar os dois se acalmaram cada um partiu para suas casas e  nos dias vindouros  foram dormir sem mais shows, período de descaso, em paz finalmente.

O cara viajou para o Ceará sem mais nem menos retornou, quando colocou o pé no portão de casa, não é lá estava ela, pensei que tinha me livrado de você, disse ele, pensou torto falou ela e continua pensa que é assim é não sou cachorra para ser expulsa sem “motivo”, sem motivo? E precisa de mais? Modesta então.

Pergunta: Bilinha, você namorou por lá? Sim, e você quando estava com ela não se lembrou de mim não? Lembrei! daí o que tem haver? Há bichim você espere que ainda vai ser muito castigado na vida, escute o que eu digo você camarada irá gostar de uma pessoa e ela vai lhe fazer de gato e sapato  e você “correndo” atrás dela se humilhando, babando todo e nada nem ai para você, é meu nego quem faz aqui paga aqui...

Escute bem definitivamente não dar mais, acabou disse ele. Ela, tudo bem, vou embora mais eu volto. Háá esse lenga lenga se repetiu por vários dias e mais dias, foi chato toda a vizinhança deu o que falar rolava de tudo briga de boca, palavrões do tipo que não podemos falar nesse espaço, baixaria do nível mais baixo que possamos imaginar. Aconteceu que a tardinha na hora da caminhada, de repente aponta os dois na esquina e começou a fuzaca e vá embora, e vou não, não quero mais você, eu quero e vou ficar e ai, ai, ai. E o muído danado e a fuleragem por lá e eu vou e não vá mais não fico, não vá e ele correu entrou e bateu o portão na cara dela. Faça isso não rapaz deixou eu fora porque, acabou não venha mais na minha casa, rua, sua safada.

Uma trégua, começou a gritaria deixe eu entrar home faça isso comigo não, já disse que não, não se deixa um amor assim não, fora, já falei acabou. Tudo isso aos gritos devido a distância um do outro, parou por um instante. Quero mijar disse ela, o quê? Quero mijar vou mijar nas calças, tô nem aí vá embora pra casa. O desdobro de quem não  tem juizo, home deixe eu  entrar pra mijar e vou embora, não! Favor home, não! É nos tante eu mijo e saio, home deixe, não! Acabou. O que sabemos é que nesse dia depois de mais de uma hora de peleja nem ela se urinou na roupa  nem nada, nem muito menos entrou na casa de Bilinha e foi, saiu chorando sabe lá pra onde. Tem mais, por hora acabou.
Por: Iram de Oliveira, Geógrafo
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...