Estudantes ocupam Campus de Pau dos Ferros

Resultado de imagem para predio da uern em pau dos ferros fotosEstudantes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) no Campus Avançado Maria Elisa de Albuquerque Maia (CAMEAM) em Pau dos Ferros, ocuparam na manhã de ontem (01) o prédio da instituição. De acordo com informações de estudantes, a ocupação segue por tempo indeterminado e é motivada pelo processo de sucateamento vivido pela UERN e pelos ataques que o ensino superior público vem sofrendo em todo o país.

Segundo Jack Jones, que é estudante de Ciências Econômicas no CAMEAM, a ocupação já vinha sendo pensada desde a semana passada, quando alunos/as, professores/as, servidores/as técnicos e a comunidade local realizaram mobilizações em frente ao Campus.  Ele explicou que uma assembleia geral dos/as estudantes, realizada na manhã de hoje, aprovou a ocupação e ratificou as pautas do movimento.

“Estamos ocupando contra o descaso e o sucateamento que a UERN vive. Contra os salários e bolsas atrasadas, a falta de segurança e estrutura e a paralisação das obras em nosso campus. Além disso, lutamos contra o conjunto de medidas que vêm sendo implementadas pelo Congresso nacional, como a PEC 241, o PL 257 e o PL 4567, que atacam a classe trabalhadora e minam a universidade pública”, afirmou Jack.

A estudante Taíza Barros, que também participa da ocupação, foi enfática ao afirmar que o movimento exige a presença do Reitor Pedro Fernandes em Pau Ferros. “ Reivindicamos a presença do reitor para que ele possa dialogar sobre nosso conjunto de pautas e debater a real situação da universidade, que é bem diferente daquela descrita pelo site da Uern. Queremos falar sobre a nossa indignação e esperamos o compromisso dele em nos escutar e apresentar saídas para esta situação”, destacou.

O Representante da ADUERN no CAMEAM, Jaílson José, destacou que a ADUERN participou da assembleia dos/das estudantes e tem dado todo o apoio possível ao movimento.

“Avaliamos que a ocupação é um passo importante na resistência contra o desmantelamento da UERN. As pautas do movimento são legítimas, fruto de vários anos de precarização e falta de investimento em nossa universidade. Hoje deixamos claro que os estudantes, professores e técnicos  do CAMEAM não irão desistir de defender nossa instituição e seu caráter público, gratuito e de qualidade” afirou Jaílson.

do: Mossoró Notícias
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...