Natal de incertezas

O Natal que se avizinha, a ser celebrado no próximo domingo, na maioria dos lares brasileiros, é mais de incertezas quanto ao amanhã, que se desenha com perspectivas sombrias (sobretudo para os mais de doze milhões de desempregados) do que de comemorações. Os que ainda dispõem de recursos, podem festejar, posto que agora com mais moderação, em virtude da crise. Estatísticas acerca de vendas demonstram que este Natal está sendo um dos mais difíceis dos últimos anos para os brasileiros. Principalmente para aqueles que, mesmo em períodos de “vacas gordas”, têm dificuldades para tornar esta data diferente das demais do seu penoso cotidiano.
Todavia, por se tratar da celebração de um aniversário, o do nascimento daquele que veio ao mundo pregar uma mensagem de paz e de solidariedade entre os homens, é lícito que aqueles que podem, festejem, sim, a ocasião. Seria desejável, igualmente, que esses que possuem condições para festejar, praticassem uma boa ação e contribuíssem para que os desvalidos que os cercam tivessem ao menos um dia, um único do ano, de sonho e de fantasia. Que houvesse, ao menos, o que comer em suas mesas, já que em muitas, alimentos sofisticados e, às vezes, até impróprios para nossas condições de clima, não apenas abundam, mas acabam sendo esbanjados.
Quem experimentar agir dessa forma verá a enorme satisfação íntima que irá sentir. Essa sensação de utilidade, de ter feito alguém sorrir, de haver conseguido, ao menos, uma imitação de felicidade, é indescritível. Os que já a experimentaram sabem como ela é boa. Para aqueles aos quais a vida não tem sido pródiga em satisfações, ultimamente – a maioria dos brasileiros está nessa condição desde o nascimento – o conselho ideal está contido nos versos do poeta Gonçalves Dias, na “Canção do Tamoio”:
“Não chores meu filho;
não chores que a vida
é luta renhida,
viver é lutar.
A vida é combate
que os fracos abate,
que os fortes, os bravos
só pode exaltar”.

O jeito é não se deixar abater pelas dificuldades, por piores que sejam as circunstâncias, pois o mesmo acaso que atua contra as pessoas, lhes trazendo surpresas sumamente dolorosas, age, às vezes, a seu favor, mudando toda a sua biografia. Ninguém tem o direito de abrir mão da esperança, embora ela, isoladamente, sem uma ação concreta que a acompanhe, jamais mudará para melhor a situação de ninguém. Que este ano crítico seja deixado para trás e ninguém sofra por antecipação com as dificuldades potenciais vindouras.
Sobretudo, que todos tenham um feliz Natal. O depois será o capítulo da biografia de cada um, que será escrito de acordo com o seu ânimo de ser forte, e não se deixar abater, ou fraco, e ser esmagado pela vida.
*Pedro J. Bondaczuk é jornalista e escritor, autor dos livros “Por uma nova utopia”“Cronos e Narciso” e “O país da luz”.

E-mail: pedrojbk@bestway.com.br
0