Política e o tempo

São inúmeras as assertivas tratando do fator tempo na política. Mais uma vez os que imaginavam que as pedras estavam jogadas a partir da certeza que o partido de Marina não seria registrado após os votos dos ministros no registro do Solidariedade se enganaram. Até alguns daqueles que participaram da reunião madrugada afora com Marina – políticos experimentados – erraram. Um exemplo foi Marina não cumprimentar Sirkis no ato da assinatura com Campos, certamente pelas entrevistas que ele deu para os jornais de sábado. E Miro Teixeira que se filiou açodadamente ao PROS.                                              Por: César Epitácio Maia

Errou Aécio que, depois de pentear-se mutuamente com Eduardo Campos nos últimos meses, no dia D estava em NY fazendo palestra para empresários, como se fosse ele a única alternativa. Erraram os irmãos Gomes imaginando que não havia caminho para Campos, pois estavam esvaziando o PSB.

Nos dois longos discursos, de Marina e Campos, fora os lugares comuns e as declarações de princípio tão comuns aos políticos nos grandes momentos,- ficou claro que o candidato é Eduardo Campos, dito de forma clara por Marina. E ficou ainda mais claro que tal decisão pretende isolar o PSDB quando Campos sublinhou que ali estavam quebrando a falsa polarização (PT x PSDB).

Os novos partidos estão sentindo o golpe. O PROS, que passa a ser um depósito de políticos de apoio a Dilma. O Solidariedade que deixou de ser uma novidade ou um voto de Minerva para um lado ou outro. E o PSD que terá que decidir entre ser um acessório fantasia de Dilma ou aderir rapidamente a Aécio. Deixou de ser a noiva disputada.

A decisão de Marina –segundo ela no discurso- foi solitária, no velho estilo dos caudilhos. Quando falava, e citou líder carismático, ela apontou ostensivamente para ela mesma. Mostrou, na decisão, uma habilidade que não se conhecia e que Campos realçou: uma rasteira nos politicões.


Muda o quadro eleitoral? Depende. Campos está nas mãos de Marina. Se amanhã, por uma razão qualquer (menor ou maior), ela se retira da candidatura Campos, essa desinflará com mais força que inflou. Paradoxalmente, a candidatura Dilma se fortalece, pois aumenta sua força de atratividade por falta de alternativas para os partidos que formam a base aliada.

O quadro eleitoral se afunila em três candidaturas. Melhor teria sido estimular Serra ser candidato pelo PPS. Se ele pudesse prever isso, provavelmente estaria no PPS. Agora a soma das intenções de votos de Aécio e Campos tem que subir para 40% de forma a ficar claro que o segundo turno continua de pé. Isso significa intensificar a pré-campanha.

Apesar da boa vontade de Campos, a REDE não tem capilaridade, é apenas o símbolo Marina com sua inegável atratividade. Mesmo que aceite ser vice –e ela vai ganhar tempo para tomar essa decisão-, vice é vice e em eleições de personalidades sequer conseguirá trazer seu potencial de votos. E as críticas do PT sobre os novos aliados dela poderão ter força.

Agora é avaliar como ficará o campo eleitoral nos Estados. O grid de largada nacional está finalmente constituído e num sábado, como na Fórmula 1. Mas o campo efetivo da disputa dependerá de como serão desenhadas as candidaturas majoritárias em cada Estado e com que sinergia com as presidenciais.

Por: César Epitácio Maia nasceu em 18 de junho de 1945, é economista e professor universitário, foi exilado político e é um dos políticos brasileiros mais atuantes no momento, tendo ocupado diversos cargos públicos, dentre eles o de Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro.


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...