Liderança: é importante ter o espirito em equipe

Esta dúvida persiste em diversas situações do cotidiano. Em que os indivíduos chamados líderes são confrontados com a inusitada situação do fracasso inesperado. Assunto que vale a pena refletir.
 Por: Walber de Oliveira Neto
Sim, mas o que é afinal o espírito de equipe? Poderíamos dizer que é o sentimento que compartilhamos, quando são identificados objetivos comuns com determinado grupo de pessoas. Então, se este sentimento faltou em algum momento importante é porque ele não existia suficientemente antes e continuou ausente em circunstância crucial. Esta identidade de objetivos observada em ocasião específica, geralmente merece uma atenção especial devido ao destaque que um agente catalisador desse impulso fez com que prestássemos atenção para ele. Ou seja, alguém, com o poder de persuadir os ouvintes, identificou esta pré-disposição do grupo, ao ponto de conseguir convergir a atenção de todos para este fato.


Na verdade, esta convergência de sentimentos esperada para as tarefas em equipe nem sempre é constante em todo o tempo necessário. Daí a importância da presença de um líder, que saiba identificar características imprescindíveis nos componentes do grupo para que os objetivos principais sejam alcançados sem a perda de forças durante o esforço conjunto.

Também é verdade que os diversos talentos somados na reunião de diferentes indivíduos, nem sempre alcançam os mesmos resultados a cada esforço se os ânimos de cada um não estiverem no ponto necessário para o intuito almejado. Diversas variáveis vão influenciar neste desempenho. Desde a existência de um descanso individual reparador e diário, assim como o estado de saúde e até a recompensa (monetária ou não) prevista para a tarefa pretendida.

Com certeza poderemos comentar, ou tentar justificar, que “faltou foco” para o grupo quando os objetivos esperados para um grupo não são alcançados. Mas não será suficiente para o devido entendimento do fracasso eventual. A ausência de componentes importantes do grupo poderá ser um fator determinante para isto. Então poderíamos complementar esta avaliação, dizendo que “o grupo não é o mesmo sem a presença de fulano ou de beltrano…” Retornando à nossa dúvida inicial, então nesse caso não há falta de um espírito de equipe e sim de uma “mesma equipe” atuando em todo tempo ou em período integral. Isto sabemos que será difícil ou impossível de alcançar.

Segundo o entendimento de estudiosos, o espírito de equipe ocorre quando o importante é que todos falem “a mesma língua”. Isto pressupõe: objetivos conhecidos e comuns a todos, assim como a distribuição de forças proporcional ao potencial de cada um. Diagnosticar essas virtudes em cada membro da equipe é fundamental para que possamos ter a expectativa segura do sucesso.

Então, a questão da manutenção perene do espírito de equipe, não se trata apenas de um exercício árduo de disciplina individual ou de grupo. Valerá aqui da capacidade de cada um conhecer a si próprio e ao seu potencial em relação aos companheiros para enfim complementá-los, dentro das suas reais possibilidades. Que somadas enfim, produzirão o sucesso esperado.


O objetivo central, tema e comentário deste texto, ainda que almejado por muitos na verdade não faltará, se ele existiu verdadeiramente em algum momento em uma equipe. Se faltou, é porque não existira de maneira consistente. Se for volúvel em consistência, talvez não pudesse ser chamado de espírito de equipe, mas de fortuita convergência de interesses. Em um ambiente em que se presa a participação de todos, com suas capacidades e opiniões divergentes ou não, a troca de experiências e somar de forças deverá ser o meio, buscado com todas as energias para se alcançar o fim pretendido. Afinal, é assim que a vida em comunidade se manifesta da forma mais aprazível e assim será possível também a verdadeira felicidade.
Artigo publicado no site Administradores.com

Por: Walber de Oliveira Neto é colunista de diversos veículos de comunicação, tais como Revista Brasileira de Contabilidade; COAD — Administração de Negócios; Jornal Panorama Regional — Cataguases (MG); Jornal Correio do Sul — Varginha (MG); Jornal Hoje em Dia – Semanário Brasília — Belo Horizonte (MG); Jornal Minas Gerais; Jornal Cataguases; RBS Revista Eletrônica; Comtexto Revista Eletrônica e Editora Eletrônica; e autor do “Crônicas da Economia”, lançado pela editora Ganga Bruta./Via: debatesculturais.com.br

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...