Os desdentados, no Brasil são muitos

A cárie dentária é a principal, a mais disseminada e vergonhosa das doenças que infelicitam a raça humana. Raro é o ser humano que tem seus dentes todos inteiros. A ausência total ou parcial de dentes é um verdadeiro crime cometido contra a pessoa. Um dente é tão importante quanto um dedo. A perda de um dente molar é tão grave quanto a perda do dedo polegar. E se pensarmos na pandemia de cárie o que está por trás dela é exatamente um crime hediondo. A cárie dentária é uma consequência direta do consumo da ração açucarada que alimenta a raça humana. A sacarose refinada é a responsável direta pela formação da placa bacteriana cariogênica (povos primitivos possuem placas não cariogênicas e sofrem de um tipo de cárie crônica que não perfura o dente). O açucaramento da dieta humana posterior ao descobrimento do Novo Mundo propiciou o surgimento de um NOVO TIPO DE CÁRIE super agressiva que perfura o esmalte, destrói a dentina e até a raiz do dente. Por: Fernando Antonio C. de Carvalho

Uma pessoa desdentada tem a mastigação e digestão dos alimentos prejudicados, o que pode levar ao desenvolvimentos de doenças como úlceras gástricas, câncer de boca, labirintites, gengivites e periodontites. Essas duas últimas podem ser causa de endocardite bacteriana (a doença do coração que mata) e pneumonias oriundas de infecção hospitalar (doença que também mata).


O desdentado é vítima de discriminação social, uma pessoa sem dentes tem dificuldade de competir no mercado de trabalho e até o “mercado” afetivo, tem sua dicção e sua imagem prejudicadas e consequentemente baixa auto-estima. Um atentado à dignidade do ser humano.

Para quem não sabe edêntulo, vulgo banguelo, significa sem dentes. Consumindo uma ração açucarada desde que nasce, o povo brasileiro começa a perder dentes tão logo surgem os primeiros dentinhos de leite (que os dentistas chamam de ‘decíduos’). Trinta e oito por cento (38%) das crianças de 18 a 36 meses apresentam pelo menos um dente cariado. A chamada “cárie de mamadeira” (mamadeira não provoca cárie de modo que devia se chamar cárie de açúcar) é um tipo de cárie avassalador que atinge todos os dentes de leite DE UMA SÓ VEZ, e rapidamente. Aos 5 anos de idade 60% da meninada tem pelo menos um dente cariado.

O chamado índice CPOD (dentes cariados, perdidos ou obturados) nas crianças de 12 anos é de 4,8; nos adolescentes é de 8,2; nos adultos 24,1; e nos idosos 37,8. Ou seja é um PROCESSO CUMULATIVO cujo ápice é o edêntulo. Sendo que no Brasil o edentulismo tem um aspecto perverso que é o mito de que a perda dos dentes nos velhos é uma consequência natural da idade. O edentulismo na verdade é o anticlimax de um processo de PERDA GRADUAL dos dentes que tem início com as cáries que atacam o primeiro dentinho de leite do bebê quando surge. O avanço da idade é acompanhado do avanço do índice de dentes cariados. No Brasil em média um jovem de 18 anos tem 18% de seus dentes cariados e 7% extraídos. Entre os adultos de 44 e 53 anos, o número de cáries diminui para 7%, mas não é porque os mais velhos consomem menos açúcar. A razão é mais tétrica: eles já não possuem 48% dos dentes. E 50% do grupo etário com idade entre 50 e 59 anos eram totalmentes desdentados. Vinte por cento do povo brasileiro não possuem dente nenhum na boca. Uma quantidade de brasileiros maior que a população da Argentina. Um aspecto perverso da situação dental brasileira é que só o pobre fica desdentado. Os que têm dinheiro podem esperar a morte chegar com a boca cheia de dentes de plástico (ou porcelana alemã) dotados de parafusos no lugar de raízes. Apesar da parafernália criada pela odontologia para combater as cáries (escova, pasta com flúor, fio dental, Listerine, água da bica com flúor, e mais todo maquinário que cerca os dentistas em suas clínicas) as cáries são as vitoriosas e continuam roubando os dentes dos brasileiros. E o sucesso da indústria de implantes dentais, na minha opinião, é exatamente a confissão de FRACASSO DA ODONTOLOGIA. Hoje em dia todo dentista de esquina oferece o serviço de implantes dentais. Agora, a solução racional para acabar com a epidemia de cáries é tão simples que dói, consiste em apenas JOGAR O AÇÚCAR NO LIXO COM AÇUCAREIRO E TUDO. De quebra irão para a lata do lixo da história as epidemias de obesidade, diabetes, hipertensão, etc.

Em virtude desses fatos a deputada Nilda Gondim PMDB-PB apresentou um Projeto de Lei (PL 578/2011) que obrigaria a indústria de alimentos a informar nos rótulos de alimentos cariogênicos o risco de cárie. Na última quarta-feira, a Comissão de Defesa do Consumidor rejeitou o Projeto de Lei. A proposta será engavetada a menos que um recurso seja apresentado e neste caso irá para discussão em plenário. (Fonte: Para não restar dúvida de que as cáries existem apenas por causa do açucaramento da dieta recomento a leitura de Walter Loesche: Cárie uma infecção tratável. Editora Cultrix).

Por Fernando Antônio Carneiro de Carvalho é historiador, formado pela Universidade Federal Fluminense, autor do livro “Açúcar, o perigo doce”./debatesculturais.com.br
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...