Com fé em Deus venceremos

Se há uma razão que nos faz viver, esta razão chama-se fé. E está escrito que é impossível alcançar as coisas se não tivermos fé, logo, esta é um pilar que nos sustenta. Sendo assim, nestes dias em muitas religiões os fieis estão em jejum e contínuas orações que, pela fé, chegam ao Criador. Chegando ao Criador que estende às mãos e dá a cada um segundo o seu coração, segundo o seu merecimento.
 Por: Pedro César Alves
Estamos chegando dia a dia aos pés do Criador. O homem como tal que é, necessita e com urgência, da paz divina. A Páscoa – palavra hebraica (‘pessach – passagem’) – para os hebreus significava o fim da escravidão e o início da libertação do povo judeu que foi marcado pela travessia do Mar Vermelho. Para os cristãos, a Páscoa é a passagem de Jesus Cristo da morte para a vida: ressurreição. A passagem de Deus entre nós e a nossa passagem para Deus – que é tido como uma grande festa.

Partindo para a simbologia que os povos trazem em suas crenças e tradições, e dos mais antigos tempos, o ovo é o mais esperado – principalmente pelas crianças – e hoje em chocolate! O ovo traz a ideia do começo da vida. Outro símbolo é o coelho – que traz o sinal de fecundidade, ou seja, representa a Igreja que, pelo poder de Cristo Jesus, é fecunda em sua missão de propagar a palavra de Deus a todos os povos.

Vale lembrar aqui um dos símbolos mais antigos: o cordeiro, que foi colocado para estabelecer aliança entre Deus e o povo. O círio pascoal – uma grande vela que se ascende na igreja, no sábado de aleluia, que significa que Cristo é a luz dos povos. Vale ressaltar também o girassol, que representa a busca da luz que é Jesus Cristo (a flor girassol sempre busca o sol). O pão e o vinho, respectivamente o corpo e o sangue de Cristo que deve ser feito constantemente para lembrar o mártir na cruz – e cada religião entende um jeito de fazer – refiro-me ao tempo. Outro é o bolo em forma de pomba (colomba pascoal), que significa a vinda do Espírito Santo.


E, para encerrar os símbolos, em muitas igrejas, na manhã de domingo – no dia da Páscoa, soam os sinos alegremente: anunciam as celebrações – anunciam a ressurreição de Jesus Cristo. Logo, devemos pensar que o Mestre dos mestres nasce/ressuscita todos os dias em nossos corações, basta-nos apenas ter fé e sermos dignos de tamanha graça diante do Criador.

Voltando para a razão, o ser humano está precisando de fé, está precisando acreditar mais em seu Criador. Acreditar mais em seu Criador significa, também, acreditar mais em si – pois foi feito à semelhança de seu Criador. Logo precisa acreditar em seu semelhante. Acreditar em seu semelhante nada mais é do que acreditar em si e em seu Criador. Torna-se um círculo.

Vale lembrar que o assunto religião não se brinca, religião se pratica e sem discussões. Independente da religião que se segue há de ser ter o respeito. Muitas pessoas comparam e acabam dizendo que certas coisas na vida não se podem comparar – pois a comparação pode levar a brigas intermináveis. Temos consciência. E a exemplificar: há países que a religião é tão dominante que há constantes conflitos internos – a briga pelo poder.

A política é outra situação que não se briga – apenas devemos praticá-la corretamente, de forma democrática, sadia. Em tudo há os excessos e é isto que leva o ser humano à crueldades: os excessos. Tudo feito de bom senso não é nocivo. Tudo feito na paz, no amor, produz bons frutos. É sabido que a teoria é mais fácil que o fazer, mas está na hora de dizer um basta à violência e começar a praticar muito a paz e, para isso, basta ter fé.

Por: Pedro César Alves é professor e escritor, membro da UBE – União Brasileira de Escritores e ainda edita o site – www.aracatubaeregiao.com.br
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...